A vida em Amesterdao



Nao o retalho da vida de um medico, mas o retalho da vida de uma portuguesa na terra dos diques, bicicletas, tulipas, moinhos, queijo... e sim, das drogas e do Red Light District tambem.


quinta-feira, 20 de maio de 2010

@ Munique: dia 2

Como o meia-laranja e eu íamos estar por nossa conta nesse dia, dado que a nossa companhia também tinha planos alternativos, fomos directos ao Viktualienmarkt ver um mercado tradicional aberto e comer mais umas salsichas com mostarda no pao...

Decidimos explorar um pouco mais fora do centro, seguindo algumas dicas que a Ana, amiga da Andorinha, nos tinha dado na véspera. E pronto, o resto é história... fartámo-nos de andar a pé o dia todo, parámos no biergarten dos Jardins Ingleses onde vazámos litros (juntando o que os 2 bebemos) de cerveja com pretzel (nham, nham), andámos mais umas horas, encontrámos finalmente uma esplanada aquecida (o meu lado ecologista fica doente com tal desperdício mas o meu corpito gelado adorou) e depois fomos jantar com a malta toda num restaurante Afegao absolutamente divinal!



O google maps ficou todo maluco por duas vezes quando fiz o planning do percurso, deu-lhe um piripaque, bloqueu e depois disse nao que nao era possível planear tal roteiro a pé... go figure... só como passeio de carro era possível!! E nao, nao andámos assim tanto...

De modos que foi mais ou menos isto, com mais umas paragens e pequenos desvios que o google nao quis aceitar e com o percurso a pé (faz-se uns valentes corta-caminhos, principalmente nos jardins) aqui nao identificados...



All and all, apesar do mau tempo, do frio e da falta de luz, apesar do Ecuménicos e apesar do cansaco, adorei Munique! Imagino voltar em dias soalheiros... ai os biergartens ao solinho.... (e eu nao gosto de cerveja, só bebo weißbier)!

É uma cidade Monumental, cheia de edifícios que justificam parar e apreciar, jardins e parques, avenidas largas e vida.

Fotos nao há, o blackberry nem com boa-vontade conseguia fotografar o que quer que fosse com a luz manhosa que tínhamos. Terao de ir espreitar o blog da Andorinha que lá conseguiu tirar umas quantas com a sua máquina.

2 comentários:

I. disse...

Esta ideia de planear os passeios com o google maps é mesmo boa. Eu cá é mais na base do improviso, tipo vamos aqui e acolá, e passamos por acoli. Depois tenho o mini guia na mala, para o que for preciso. Também gosto de ir vendo o montinho dos guias a aumentar, verdade seja dita...

Tuxa disse...

I.,
Para te dizer a verdade, a primeira vez que usei os maps foi mesmo em Washington e porque estava sozinha. Tendo um "roteiro" o dia tem outro animo, tinha um plano, tinha a cabeca entretida... passear sozinha é bom, mas acompanhada é bem melhor!

Munique foi completamente improvisado, como tu fazes. Tinhamos ideias de onde queriamos ir, mas fomos andando ao sabor do vento a descobrir. O mapa google foi so no pós regresso para o recuerdo e registo.
Nós também temos a prateleira dos guias. E os imans no frigorífico. Sao as únicas recordacoes que trazemos sempre.