A vida em Amesterdao



Nao o retalho da vida de um medico, mas o retalho da vida de uma portuguesa na terra dos diques, bicicletas, tulipas, moinhos, queijo... e sim, das drogas e do Red Light District tambem.


segunda-feira, 26 de outubro de 2009

3 anos de Vida em Amesterdao

E hoje cumprem-se 3 anos desde que cheguei a Amesterdao.

Vim sozinha, a descoberta, cheia de medos e receios sobre as minhas razoes de vinda e sobre como seria o futuro, longe do meia-laranja, longe da familia e amigos. Mas cheia de entusiasmo e fome de vida e experiencias.

Os primeiros meses foram frios, solitários, cansativos e interessantes quer do ponto de vista pessoal (de auto-descoberta e introspeccao) e profissional. Todos os planos feitos a 1. Cinema, sozinha. Passear, sozinha. Ver museus, sozinha. Ir ao café ou jantar fora, sozinha. Até a uma discoteca fui sozinha... Tudo na cidade era novo, as pessoas, as idas ao mercado, a neve, os canais, os horários, os hábitos. O choque cultural acontecia todos os dias e nao havia semana em que nao descobrisse algo novo sobre a Holanda ou sobre os Holandeses. E muitos voos para Portugal, todos os meses lá ia. Porque era grátis e porque tinha necessidade de voltar as raizes.

Depois veio a fase da estabilizacao, com o estabelecer de lacos com outras pessoas, fazer amigos, recomecar a ter uma vida social e passar a ter planos a 2 ou mais. E foi a fase em que o meia-laranja chegou. Continuei a ir aos mercados, ao cinema e aos museus, mas com companhia. E já conhecia "os truques e manhas" da vida local. O Holandes já era o suficiente para conseguir comunicar. Entrei na fase em que as surpresas e choque cultural já nao eram registadas. Estava a integrar-me.

Finalmente, a fase em que me encontro hoje. A do estar a beira de criar raizes. Comprei casa cá, comprei carro cá, estou a fazer um mba que me vincula a este pais durante mais 3 anos... e já tenho + de 31 anos. Comeco a pensar (só pensar) em filhos... todos estes vinculos sao relativos, claro. Casa e carro vendem-se, mba paga-se de volta a empresa, filhos se e quando os houver vao atras dos pais. Mas it's easier said than done... no fundo, somos um ser de hábitos e depois de estarmos confortáveis, é complicado recomecar tudo de novo.

E no fundo, onde está o meu lar? Onde está a minha vida? Aqui? Em Lisboa? Emprego e qualidade de vida tenho cá, familia e raízes estao em Portugal...

Podia escrever imenso sobre isto, mas no fundo, chego a conclusao que estes 3 anos pelas terras baixas foram riquissimos a todos os niveis. Eu e o meia-laranja estamos melhores que nunca, aprendi mais uma lingua nova, visitei sítios e conheci cidades que doutra forma me teriam passado ao lado, conheci pessoas fantásticas, portuguesas e "estrangeiras", sobrevivi a uma cultura completamente diferente da nossa, estou a estudar com o apoio da empresa e progredi na carreira de uma forma que em Portugal, posso dizer com toda a confianca, seria totalmente impossivel.

3 anos volvidos apos o início da aventura Holandesa, continuo a dizer e a escrever o mesmo que no início... "Nao sei para onde vou, mas estou a caminho" (and loving every step of the way...)

14 comentários:

Frankie disse...

Muitos parabéns! Fico contente que estejas bem melhor agora, pois tu mereces. Compreendo perfeitamente o que sentes pois passámos uma experiência semelhante.
Desejo-te a continuação de um caminho cheio de sucesso a todos os níveis, seja em que direcção for.

Raquel disse...

Identifico-me imenso com as tuas palavras, com todo o processo de transição de um mundo tão familiar (Portugal) para um ambiente cheio de surpresas a cada esquina (Holanda) e como essa experiência nos enriquece em termos de auto-conhecimento! É curioso o tipo de contacto que fazemos com nós próprios quando tudo à nossa volta é tão desconhecido, não é?
Ainda bem que estes 3 anos têm sido ensinadores e ricos em muitos aspectos! Muitos parabéns e espero que continues feliz por aqui, ou em qualquer outra direcção em que vás!
Bjs

mimanora disse...

Bons caminhos!

sonia disse...

e que venham muitos mais anos aqui na holanda ou noutro sitio onde tao bem te sintas!
sempre disse a boca cheia que se nao tivesse uma ligacao efectiva a este pais (um loiro ca em casa) talvez nao vivesse aqui. afinal sempre tenho aqui uma familia e as coisas sao bem mais faceis, por isso admiro-te porque imagino a adaptacao a um pais tao diferente do nosso nem sempre facil. leio em muitos blogs de portugueses aqui na holanda, especialmente estudantes, um rol de queixumes e critica aos costumes deste pais, coisa que se aqui leio, e sempre de uma forma divertida e cosntructiva. e isso mesmo, uma experiencia nova e assimilar ao maximo...

mas uma coisa te posso dizer, isso de levar as criancas para onde os pais quizerem nao e assim tao simples. experiencia propria, nunca trocaria o sistema educativo e a liberdade que aqui tem (chamaste-lhe qualidade de vida) pela minha outra vida la de lisboa. pois olha que as criancas fazem-nos pensar de outra forma e as coisas sao bem mais definitivas! nao para te demover, mas partilhar a minha opiniao.

JInhos

Lewis disse...

Parabéns Tuxa. Não tive (ainda, nunca se sabe) uma experiência tão enriquecedora como a tua, mas tenho gostado de te acompanhar as tua aventuras através do teu afamado Blog.
Creio que aqui em Portugal muitos de nós (e especialmente com esta crise)temos algum receio de sair da zona de conforto, porque com o desemprego que está cada vez mais instalado no nosso país há que agarrar fortemente à bananeira em que estamos e esperar que a tempestade passe.
No entanto como disse nunca se sabe, vamos esperar que as coisas tomem outro rumo e quiçá estarei eu a escrever o meu blog noutro país.
Felicidades e já que não sabes para onde vais, NUNCA te esqueças de onde vieste!

Andorinha disse...

Parabéns miúda, principalmente porque sabes que estás no lugar certo, à hora certa. Gosto e vou continuar a gostar de te conhecer. Obrigada pela oportunidade, é bom ter-te por perto. Beijos, Sofia

Xana disse...

Gostei de te ler, e identifico-me com a tua vivência da experiência da emigração!
Bom continuação!

JoanaM disse...

Sair de casa, partir para o desconhecido e ser emigrante pode ser difícil, mas se há boa companhia e se sentem integrados, não custa nada! É bom reconhecer bons e maus momentos, continuar a fazer planos e não desistir de se cumprir metas ou sonhos. Que o vosso equilíbrio a 2 se mantenha por muitos e bons anos, são um exemplo a seguir e invejar! Ofereço-me para babysitter! ;)

Nat disse...

Apesar de não parecer, sempre que consigo, venho espreitar o teu "cantinho". Quando acabei de ler esta "entrada" pensei e senti... perdemos a Tuxa para a Holanda. Acima de tudo quero que sejas feliz e,sejamos realistas, o que alcançaste aí muito dificilmente conseguirás aqui. Adoro-te!

Thessa disse...

:) O tempo passa a correr. O certo é que todos os bocadinhos valem a pena.Bjs

Peter p'ós amigos disse...

Que giro. Todo o teu blogue resumido num post!

macaumicau disse...

Ena, ena, eu tambem me ofereco para babysitter :)

Parabens! Eu ainda acho que vamos continuar a ser vizinhos por muitos anos!

Dantez disse...

é interessante ler estas cenas e ver que passamso todos pelo mesmo conjunto de emoçoes nesta experiencia e liçao de vida que é emigrar. eu tou cá à 6 anos! parabens.

Raínha disse...

Olha, eu faco quatro anos... sem duvida que nao tinha como adivinhar que a vida me ia trazer aqui e viver o que vivo neste momento! Desejo-te tudo de bom na continuacao! Beijinhos